Deixe a luz passar!

Deixe a luz passar!
Fiat lux!!!

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Quais os preços da modernidade?

Eu tenho a impressão de que ainda não me dei conta totalmente do que signifique ter um celular. É verdade.

Sábado, depois de deixar meu filho no trabalho, notei que havia esquecido a caixinha de voz em casa. Até aí, dirão: tudo bem, nada de novo. Mas, após essa constatação, tive a certeza de ter perdido um membro: um braço, quem sabe uma perna. Foi aí que caiu a ficha (não resisti ao trocadilho, apesar de orelhão já está quase extinto do nosso universo, penso): algumas coisas entram em nossas vidas e se integram de tal forma, que já não existimos completamente sem elas. Esse é o caso do tal telefone celular. Juro que relutei até onde pude, mas acabei me rendendo por um apelo profissional. Perdi aí minha privacidade e algo mais que não sei bem o que é, ainda.

Podem me chamar de antiquado, retrógrado e quantos qualificativos tiverem à mão, mas a sensação de perda por ter um celular é maior do que a de poder que a modernidade me dá. Essa história de falar a qualquer tempo não me seduz mais. Portanto, só isso já bastaria para por fim ao meu bendito celular, o que seria outra estupidez (a primeira foi ceder ao apelo de tê-lo).

Imagino que há pessoas que ao saírem de casa, façam um “checklist”:

documentos: ok;

chaves do carro: ok;

óculos: ok; e...

Parece que é só, mas essa impressão de que estou esquecendo algo não cessa. O que será? Não consigo me lembrar do que seja. Ah, o mais importante, o celular!

Ele chama a companheira:
- Meu bem, por favor, pegue o celular pra mim. Não sei onde estou com a cabeça. Esquecer logo o celular.

Ela atendendo à solicitação:
-Nossa, você enlouqueceu? Onde já se viu andar sem o celular. Só você mesmo. Ainda bem que se lembrou antes de sair. Aqui, toma, vê se não esquece mais.

Para algumas pessoas nem é um objeto, é antes um lugar: Não, ele não está em casa, não. Mas liga pra ele, ele está no celular.

É, e assim vamos nos modernizando, encurtando as distâncias, ganhando tempo e aquecendo o cérebro até virar pipoca. Juro! Vi um filme no “youtube”. Mas já há vários desmentidos a respeito. Não se pode confiar. E eu nem tentei a experiência. Esqueçamos o filme do ‘youtube’!
Mas, lembremo-nos da pergunta da sábia Vivian: "você questiona o que lê, ou vai acreditando a esmo?".

4 comentários:

  1. Vc acredita em tudo que está escrito? Eu acredito no que vc escreve, contar o cotidiano com suavidade é muito bonito. Taí coisa que eu não sei fazer. Abraço

    ResponderExcluir
  2. Oi, chegando e já entrando na conversa. rsrs

    Esqueço o celular direto, em casa, na casa da mãe, fica na bolsa e na gaveta e não escuto. São várias reclamações.

    Mas faz falta sim.

    chegando aqui, nem lembro por onde.
    abraços

    ResponderExcluir
  3. E aí, Zanata, já está usando o forno microondas? Depois de se render ao celular, não se esqueça do forninho!

    ResponderExcluir
  4. O relatado é algo tão comum, do dia-a-dia de cada um, acredito. Mas suas palavras suavizam tudo. Me fazem perder em devaneios meus e manias vindas da modernização. E as questiono. E vivo a questionar.

    E respondendo: Não. Não acredito em tudo que leio. Mas leio de novo o que me faz acreditar.

    Bjs!

    p.s.: obrigada pela visita no meu canto. Volta sempre!

    ResponderExcluir

Comente o que leu e tudo que julgar importante do seu ponto de vista, contido no blog. Sua opinião é valiosa para mim e me ajudará a aperfeiçoá-lo, bem como a mim mesmo. Obrigado. Valeu!!!