Deixe a luz passar!

Deixe a luz passar!
Fiat lux!!!

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Qual o sabor do amor?




O amor estava solto e passeava pelo ar.
Eu nem sequer sabia que ele tinha esse poder.
Mas tem.


Primeiro senti seu cheiro; mesmo sem saber de onde, senti.
Deslizou suave por meus neurônios, atacou minhas sinapses.
Penetrou fundo no meu ser.
Senti seu sabor indefinido. Amorfo? Definitivamente, não.


Depois eu o vi.


Não sei como, mas vi nitidamente.
Atingiu o ponto mais escondido de minha vontade e me fez cativo.
Algo mudou em mim, não sei bem o quê, mas mudou.


Agora já sinto a presença do que me despertou a alma.


A consciência de que a vida está além de mim, apesar de mim.
Descuido, talvez, dos sentidos alerta.
Ensinados a saber o óbvio, bem treinados na arte do esquecer, do não sentir despreocupado.


Onde estava meu instinto,
Químico amor?
Atacou minha juventude sem piedade, com crueldade até.
E depois com crueldade maior ainda me deixar sem chão, sem rumo, céu sem estrelas, sem farol, nau desgovernada de encontro aos rochedos.
Tempestade tropical, ciclones caribenhos a arrebatar o que sobrou de mim, dessa memória.


Misto de ódio e bálsamo que alivia e atormenta.
E o que eu faço com todo esse amor aprendido e apreendido,
Tão suavemente imposto?
Será que ele não sabe de que matéria sou feito?
Esse tal amor é estranho mesmo.
Começo a pensar que, amor personificado, não tem sentimento.
Ora, que paradoxo é esse?


É a essência.


É a vida real em choque com a idealizada.
Talvez unilateral. Talvez desiludida.
Talvez só a vida, sem limites ou conceitos e menos ainda preconceitos.
Sem qualquer antítese programada.
Sem amarrras ou correntes para serem arrastadas em noite de lua cheia, assombrando os ainda não iniciados.
Um vício psicossomático sem cura. Graças!
Doce, salgado, amaro amor?

14 comentários:

  1. ...ahhh
    pintastes o amor como o vilão
    da história, e não o é!!!

    amor é paz e calmaria.
    é chuva de primevera,
    é onda quebrando nos pés,
    é noite de lua cheia,
    é canto de passarinhos,
    é campo de girasóis
    é o beijo da pessoa amada,
    é o 'te amo' num olhar...

    smackssss procê!

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo o amor nos pega de súbto.
    Belo texto. Abraço

    ResponderExcluir
  3. O dia que descobrirem tudo sobre o amor, ele perde a magia..

    Enquando isso ficamos a divagar e a refletir sobre o assunto..

    Bjo..gostei daqui.. ;)

    ResponderExcluir
  4. Oie!

    Que bom saber que vc gostou do meu blog!Euxzyhgu tbm adorei o seu e do modo que escreve, vc está nos meus preferidos tbm viu!

    Mas o amor, pode ter tantos gostos... Pode ser doce como mel no início, amargo como limão na decepção, e agridoce na recuperação do mesmo amor!

    O amor é mais para ser sentido, vivido, apreciado,consumado!

    O gosto é um bônus!hahahaha

    bjuss

    ResponderExcluir
  5. "Um vício psicossomático sem cura. Graças!"

    Graças....precisamos acreditar em algo.
    Dou graças!


    até...

    ResponderExcluir
  6. Estou aqui. 4h da manhã. Isso lá são horas de visita. rsrsr

    Vim do blog da Quase Trinta. Já estive aqui. Nem lembro se comentei. Volto por causa do seu comentário lá,muito bom.

    Que sabor tem o amor? Fiquei pensando. Depende né?

    Seu texto está excelente.
    Gostei de "um vicio psicossomático sem cura.Graças!"

    Aproveitei o silêncio da madrugada e interno para olhar os slides.

    abraços

    ResponderExcluir
  7. Mil perdões. Além de já ter estado aqui, você ainda me cita num texto. Mas estou tão inteira te lendo agora, nessa madrugada calma, que mereço perdão. Pode crer.
    beijos


    (vc não pensa em tirar essas letrinhas?)

    ResponderExcluir
  8. 'Agora já sinto a presença do que me despertou a alma.'

    José, o amor é indefinido. Sei porque sinto, vejo, é quase palpável, mas ainda não sei dizer o que é, como é. E essa é a mágica!

    Gostei muito, muito mesmo do seu texto. E a frase que destaquei aí em cima foi a com que mais me identifiquei. Ah, não há muito o que dizer ... O sentimento sempre deixa a gente sem palavras. E tudo que sai, soa clichê. Graças! - como escreveu no seu texto.

    Bonito, agradável o seu espaço. Obrigada pela visita e pelas palavras! Volto logo, logo.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Como assim esse texto é pra mim???
    Uau, que honra, muito obrigada.
    O amor sempre tão lindo e tão contraditorio

    ResponderExcluir
  10. Ah! Falar do amor é sempre bom demais né? Esse mistério que ele carrega, essa leveza que ele proporciona, esse frio na barriga só dele... Falar de amor, ler o amor, viver o amor... É missão nossa! Missão de todos nós!

    Fico com "memória" de Drummond, que vem a minha mente toda vez que o amor chega perto:

    "Amar o perdido
    deixa confundido
    este coração.
    .
    Nada pode o olvido
    contra o sem sentido
    apelo do Não.
    .
    As coisas tangíveis
    tornam-se insensíveis
    à palma da mão
    Mas as coisas findas
    muito mais que lindas,
    essas ficarão."

    Beijo!

    ResponderExcluir
  11. Olá meu caro colega.
    O amor é a paz de espírito que tanto almejamos.
    è a luz que faz iluminar nossa alma.
    È o combustão da vida.
    È o dizer olho no olho "TE AMO".
    È o complemento, que falta a nossos dias.
    Enfim,Traduzir o amor:
    Uma benção de deus, pureza, luz calor , e complemento.

    Beijos amigo.
    Regina Coeli.

    ResponderExcluir
  12. Meu amigo cronista e poeta, te ofereço o meu selo Pier, está lá no meu blog, se vc aceitar é lógico. Abraço

    ResponderExcluir
  13. Nossa, Zé

    Que trem doido é esse?

    Apesar de tudo, o AMOR é uma delicia.


    beijo paulista no seu dente de leite kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Comente o que leu e tudo que julgar importante do seu ponto de vista, contido no blog. Sua opinião é valiosa para mim e me ajudará a aperfeiçoá-lo, bem como a mim mesmo. Obrigado. Valeu!!!