Deixe a luz passar!

Deixe a luz passar!
Fiat lux!!!

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

A estrada ou o caminho?


Uma estrada foi aberta.
O caminhante a usou.
Fez nela seu caminho e desbravou
Seu destino e sua busca incerta.

Olhou horizontes e muitos viu.
Olhou nuvens e em algumas até se molhou.
Olhou o céu e quase sorriu.
Por fim, perdeu-se em atalhos e não mais voltou.

Boa viagem, errante caminhante!!!

17 comentários:

  1. O bom da estrada, é fazer-se parte dela, pois, o caminho só se faz caminhando. E isso é vida.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Zé

    Linda foto.

    Estradas sempre me fazem pensar em caminhos, em rumos, em descobertas, em escolhas.

    Nelas, muitas vezes, optamos por atalhos. A princípio pode nos parecer que seja só uma forma de encurtar a jornada, mas, sem dúvida, é uma oportunidade de aprendizado. Errante é aquele que não arrisca e, principalmente, o que não volta atrás quando necessário.

    Parabéns, poeta, pelo conjunto da obra.

    beijo da sua amiga paulista

    ResponderExcluir
  3. ...se não soubermos para onde
    queremos ir, nenhuma estrada
    nos servirá de caminho.

    por isso tantos desencontros,
    e rotas trocadas.

    sábios são aqueles que constroem
    a sua estrada, jogando sementes
    de bem-querer.

    um bj, menino!

    ResponderExcluir
  4. A sua estrada, amigo, por certo é muito bonita como o poema. Abração

    ResponderExcluir
  5. Nos atalhos o caminhante encontrou sua lida, sua vida, seus amores...

    lindo dia amigo
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Perder-se em atalhos talvez seja um pretexto para a busca de novos caminhos. Quanto a não retornar, reflete a sede de seguir em frente, rumo ao lar do conhecimento novo.
    Um abraço!

    P.S.: É uma estátua, na fotografia? parece o Gandhi.

    P.P.S.: A que blues se refere, amigo Zé? À minha página de música?

    ResponderExcluir
  7. Perder-se em atalhos é o que acontece aqui. No blog da Jacinta peguei um atalho e caí aqui, não me perdi, me encontrei nas tuas palavras.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Voltei pra dizer que gostei muito do poema "quando penso em você". Muito bom.
    Valeu.

    ResponderExcluir
  9. Oi Zé,

    Nossa adorei esse seu post!

    A vida nos mostra que às vezes que a melhor opção nem sempre é o caminho linear, e que os ventos que sopram da curva do destino são fascinates e muitas vezes são atalhos para a felicidade!
    É porque não se perder?
    Prefiro me perder em atalhos, do que continuar em uma caminhada previsível. realmente prefir as surpresas no caminho!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  10. Como ainda não sei onde quero chegar, não importa a estrada....rs

    ResponderExcluir
  11. Zé,

    Acho importante não deixarmos de caminhar, saber quando descansar no caminho e quando ele chegar ao fim.

    Então, pegamos outra estrada, e outra e outra...

    Tô conhecendo o seu blog.
    bj

    ResponderExcluir
  12. Muito interessante. E me fez pensar assim. Por vezes o caminhante se perde, mas mesmo perdido pode se achar.

    Outros se perdem em atalhos, e não voltam, seguem, e quando percebe-se não estava perdido, estava desbravando outros caminhos, estava se desbravando. Achando-se no próprio destino.

    Sabe, gosto quando o poeta escreve e eu fico pensando comigo e para mim, fico conversando comigo. E nas palavras do poeta faço um caminho para o meu "eu".

    Já viu e sentiu que gostei muito. Abraços

    ResponderExcluir
  13. Todos nós somos, muitas vezes, caminhantes solitários em busca de uma estrada imaginária. Nossas caminhadas nos leva ao desconhecido. Que bom enquanto podemos caminhar mesmo sendo chamado de "errante caminhante".

    Abraço,

    ResponderExcluir
  14. Bom dia Zé,
    de novo, peguei o atalho e venho aqui, apreciar o seu caminho.
    Fico sempre contente com sua presença comentando as coisinhas que deixo lá no florescer. Muito obrigada.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Olá Ex-Controlador, Odontólogo e não me lembro mais o quê... rs
    Sempre te vejo, de longe, nas casas de amigos (Jacinta, Dauri, Deusa, Vanuza...) mas nunca me atrevi a vir aqui...
    Hoje tomei coragem!
    Invadi sua casa, me descobri na estrada e no caminho, porque nunca sou destino. Me vi despedindo-me do Elvis, que deve estar fazendo companhia à minha amiga de infância Aparecida (porque apareceu do nada), ou seja, adorei o que encontrei...
    Voltarei, com certeza!
    Muita luz no seu caminho
    beijo

    ResponderExcluir
  16. Belo post, diz muito sua narração poética.


    Abraços Zé.

    ResponderExcluir

Comente o que leu e tudo que julgar importante do seu ponto de vista, contido no blog. Sua opinião é valiosa para mim e me ajudará a aperfeiçoá-lo, bem como a mim mesmo. Obrigado. Valeu!!!