Deixe a luz passar!

Deixe a luz passar!
Fiat lux!!!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

O silêncio!!!


O silêncio!!!

Lá fora tudo parecia perder a existência. O ar não se movia, estava denso e parado. Mas de uma maneira que eu jamais tinha notado. Era estranho mesmo.
A luz do poste era sem intensidade, quase sumindo, como se algo ou alguém a sugasse lentamente, se alimentando dela na noite que adentrava ao dia.


Mesmo sem saber o que estava acontecendo, intuí que não era comum. Afinal, a vida se esvaía das coisas simples e pouco notadas no dia-a-dia. Abri a porta procurando as pessoas que toda noite se reuniam em baixo da monguba para suas conversas barulhentas, próprias dos jovens e despreocupados. Eles não estavam lá. Fiquei divagando em idéias sem pé nem cabeça, até me deparar com a cena mais fantástica de minha vida.


Uma luz laranja passeava subindo por entre as árvores e piscava em uma freqüência que incomodava os olhos. Por trás da mangueira surgiu um vulto grande no céu. Uma sombra enorme e acompanhada de pequenos ruídos semelhantes a silvos de cigarra, só que eram mais agudos, limpos e breves, quase imperceptíveis, mas sincronizados com a luz. Tentei melhorar a visão pondo meus óculos, o que não adiantou. A visão do objeto era a mesma. Eu estava a aproximadamente uns cem metros de distância, quando notei que a forma da “sombra” era piramidal de base e teto quadrangulares, totalmente transparente. Faltava o ápice. Vi que movimentava-se lentamente e em círculos incompletos, girando ora para a direita, ora para a esquerda em seu eixo longitudinal, alternadamente.


Quis me esconder com medo, mas não tive tempo e julguei não ser necessário, pois a luz que estava sendo sugada, apagou-se e uma escuridão se fez no bairro inteiro, pois não via nada além das estrelas que pontilhavam o céu. Curiosamente eu continuava vendo a “sombra” e através dela as estrelas. Cruzou toda a extensão da rua. Calculei que tivesse uns duzentos metros. Cada quadra tem dez lotes de vinte metros de frente, logo.... Ela ocupava a quadra inteira e depois da terceira quadra não mais a vi.

Procurei com os olhos mais uma vez a presença de mais alguém na vizinhança e nada. Não encontrei viva alma. Então, silenciosamente, voltei a fotografar as flores da noite.

11 comentários:

  1. Serio??

    Fiquei preocupada e me arrepiou tudo. Tenho tanta curiosidade pra ver e não vejo, nao sei se teria medo, mas que ficaria parada ficaria.

    Bjos.. ficou tao no ar a história.. mais detalhes ou nao?

    ResponderExcluir
  2. Oi Zé,


    Caraca!!!!! Que experiência hein!!
    Nossa, não teve medo???? Deve ter sido uma mistura de medo e curiosodade né? Pelo menos é o que eu sentiria! hahahaha

    bjus

    ResponderExcluir
  3. ...por quantos e quantos caminhos
    nosso pensamento pode vagar?

    quantas 'flores' podemos fotografar
    nas madrugadas silenciosas?

    quantas estrelas 'falam' ao nosso
    sentido, enquanto a humanidade
    descansa?

    até onde podemos ir,
    quando sabemos traçar
    a rota?

    podemos tudo nesta vida?

    muahhhhh

    ResponderExcluir
  4. Um experiência, ou um sentimento, escrito de uma forma que não sei o que dizer.

    Mas se fotografou flores e se sentiu leve, passa ter sido um momento bom.

    abraços

    ResponderExcluir
  5. Boa história, e além da história, a poesia. Leitura saborosa.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ih Zé o que será isso? Coisas estranhas que a gente vê e nunca vamos saber o que é. É melhor deixar quieto. Belo conto! Abraço

    ResponderExcluir
  7. A verdade está lá fora. Já dizia Hollywood!

    Agora... Com uma experiência assim, nunca que ia ficar para ver flores em jardim!
    Até... Gostei do conto!

    ResponderExcluir
  8. Como disse antes, Zé, pilotos e controladores de tráfego aéreo têm muitas histórias para contar.
    Desculpe a ausência, mas nas últimas semanas trabalho de modo triplicado. Na próxima encarnação serei odontólogo.
    Passei pra desejar-lhe um Feliz Natal.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Zé

    Continuo sem net, estou morrendo de saudades de visitar os blogs dos amigos.

    Adorei seu texto. Parabéns!

    Sei que seu Natal será maravilhoso e, sei também, que Deus já lhe preparou muitas bençãos para 2009.

    um grande beijo
    de sua amiga paulista

    ResponderExcluir
  10. O mundo está em suas mãos.
    Tenha coragem e determinação
    para transformar momentos difíceis
    em grandes desafios,
    buscando na solidariedade
    um passo para dias melhores.
    Neste Natal, que o grande potencial
    da humanidade revele-se
    em cada um de nós
    para o início de um novo ano.

    Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

    ResponderExcluir
  11. ...Zé meu lindo amigo,

    Natal é renascimento,
    é confraternização,
    é solidariedade,
    é sensibilidade
    diante do Mestre Jesus,
    esta luz que nos guia
    para as realizações
    de todos nossos desejos
    e sonhos.

    Que assim seja!!!

    Tenha um Feliz Natal junto a todos
    que amas!

    ResponderExcluir

Comente o que leu e tudo que julgar importante do seu ponto de vista, contido no blog. Sua opinião é valiosa para mim e me ajudará a aperfeiçoá-lo, bem como a mim mesmo. Obrigado. Valeu!!!